1. Início
  2. /
  3. Histórias
  4. /
  5. A Bela Adormecida

A Bela Adormecida

A Bela Adormecida.


Era uma vez, um rei muito bondoso e uma rainha muito bela que se apaixonaram ainda muito jovens e se casaram. Viviam no majestoso castelo real e eram muito ricos. No castelo havia muita fartura e pessoas que lá trabalhavam para servi-los.

Havia também belíssimos cavalos, de todas as cores, que pertenciam ao reino. Ao redor do grande castelo cresciam lindas árvores e flores das mais belas espécies. A rainha era apaixonada por rosas e havia muitas delas pelo jardim. Sempre que possível, a rainha caminhava pelo jardim para contemplar a beleza das flores.

Tudo parecia estar indo muito bem no reino, mas o rei e a rainha estavam tristes, o grande sonho deles era ter um bebê.

— Ah se tivéssemos um bebê...! – suspirava o rei.

— E se fosse uma linda menininha...? – sonhava a rainha.

— Seria perfeito, meu amor! – falou o rei beijando a mão de sua esposa.

— Nosso sonho irá se realizar, meu amado! Você vai ver! – falou a rainha esperançosa.

Longos meses se passaram após aquela conversa.

Num belo dia, enquanto a rainha caminha pelo seu lindo jardim e contemplava as rosas, uma linda borboleta amarela pousou em seu ombro e falou:

— Minha rainha, espere apenas mais um pouquinho, seu sonho em breve se realizará! Você terá uma menina!

E após dizer aquelas palavras, a borboleta amarela voou para longe e a rainha sorriu ao ouvir as palavras daquela profecia.

Meses depois, nasceu uma linda menina. O rei e a rainha colocaram seu nome de Aurora. A alegria no reino era tão contagiante, que o rei e a rainha resolveram organizar uma grande festa para comemorar a chegada da linda princesa.

Foram convidadas seis fadas para serem madrinhas, que abençoariam a pequena menina com muitas dádivas.

Na noite da grande festa, os amigos e parentes mais próximos do reino marcaram presença. Uma orquestra, composta por violinos, flautas, trompetes e um piano, entoava lindas melodias que eram ouvidas pelos corredores do grande castelo.

Assim que as fadas chegaram ao castelo, imediatamente foram direto ao quarto da princesa, onde a primeira fada a abençoou:

— O meu presente para você será a beleza! Você será a mais bela em todo o reino. – falou a primeira fada estendendo a sua varinha mágica.

— O meu presente para você será a inteligência! Sua inteligência brilhará como o sol. – falou a segunda.

— O meu presente para você será a riqueza! Você será muito rica. – falou a terceira.

— O meu presente para você será a bondade! Não existirá moça mais bondosa que você. – falou a quarta.

— O meu presente para você será a felicidade! Você será muito feliz. – falou a quinta.

Antes que a última fada a abençoasse, um vento muito forte entrou pela janela, assustando a todos. Uma nuvem muito escura se abriu no teto do quarto de Aurora e, junto a ela, uma figura com chapéu pontudo na cabeça e capa preta desceu da vassoura naquele momento.

— Ohhhhhh!!! – as pessoas exclamaram.

— Ha Ha Ha Ha Ha!!!

Aquela risada fez todos estremecerem. Era a fada malvada, que estava muito irritada por não ter sido convidada.

— Vejo que estão dando uma festa! Convidaram todas as fadas para o nascimento da princesa, mas se esqueceram de mim. Eu também tenho um presente para a menina!

Todos fizeram absoluto silêncio, arregalando os olhos, temerosos por saber que tipo de presente a fada malvada daria à linda princesa Aurora.

— Quando completar quinze anos, a princesa se ferirá em uma rosa de espinhos e morrerá! – decretou a fada malvada.

Sua expressão era muito sombria e ameaçadora. Assim que lançou o feitiço, foi embora em seguida, deixando todos muito alarmados.

Então, aproximou-se a sexta e última fada, que devia ainda oferecer seu presente.

— Infelizmente não posso desfazer a maldição! A princesa não morrerá; apenas dormirá por cem anos, até a chegada de um príncipe, que se apaixonará por ela e a acordará com um beijo verdadeiro.

Todos ficaram um pouco mais aliviados com o último presente, fazendo passar o grande susto. Mas ainda assim, o rei ordenou aos servos do palácio que retirassem todas as rosas do castelo e as queimassem, para evitar o pior.

Os anos passaram...

Quando a princesa completou quinze anos, o rei e a rainha resolveram dar uma grande festa no palácio para comemorar o aniversário de Aurora. Enquanto seus pais verificavam os últimos detalhes da festa, a princesa resolver caminhar pelo jardim do castelo.

Atravessou o jardim principal onde havia um lindo chafariz e continuou a andar, observando cada detalhe da natureza. Foi andando, andando, até que encontrou no final do corredor um lindo portão dourado com pedras preciosas.

Delicadamente, virou a maçaneta e entrou. Ficou deslumbrada com tudo o que viu ao seu redor. Era um jardim secreto, cheio de rosas, da mais linda espécie!

— Que jardim mais lindo! Nunca o tinha reparado. Que rosas mais belas...! – falou a princesa.

A beleza das rosas atraiu tanto a princesa, que ela não conseguiu apenas olhá-las sem tocá-las. Diante de tanto esplendor, a princesa Aurora caminhou até uma das rosas e a tocou. Naquele momento, seu dedo foi ferido no espinho, que a fez adormecer ali mesmo, no gramado do jardim.

As horas foram passando e a grande festa estava prestes a começar. O rei e a rainha ficaram preocupados com a demora da princesa, ela não costumava se atrasar. Também não a encontraram dentro do palácio. Sendo assim, pediram para que seus servos a procurassem em todo canto.

Minutos depois, os seus servos retornaram com a princesa nos braços. Ela estava adormecida.

— Vossa Majestade, encontramos a princesa adormecida em um jardim secreto, repleto de rosas!

— Jardim secreto? De rosas? – o rei perguntou confuso.

— Sim, Majestade! É isso mesmo. – confirmou o servo.

— Como isso foi acontecer? – a rainha perguntou preocupada.

— Não sei, minha amada! Ordenei que todas as rosas fossem retiradas e queimadas. – falou o rei com o semblante entristecido.

A festa de aniversário foi cancelada.

Infelizmente a maldição se cumpriu. Um sono profundo fez com que Aurora e todas as criaturas do palácio adormecessem.

Após cem anos decorridos, um formoso príncipe, do reino vizinho, ficou curioso quando lhe contaram a história da princesa Autora, que ficou conhecida como Bela Adormecida. Sendo assim, preparou o seu cavalo e cavalgou até o palácio, em busca da princesa.

Ao atravessar os grandes portões que protegiam a entrada do castelo, encontrou os guardas dormindo. Cavalgou mais um pouco e percebeu que todos que ali moravam também estavam adormecidos. Desceu do seu cavalo e entrou pela porta principal, atravessando os corredores do palácio, até chegar ao quarto onde a princesa dormia.

Assim que a viu, encantou-se com sua beleza e apaixonou-se perdidamente. Não resistindo tanta formosura, tocou-lhe a face e deu-lhe um beijo em seus lábios, que a fez despertar.

Imediatamente, Aurora abriu os olhos e sorriu para o príncipe parado à sua frente. Naquele mesmo instante, todos do reino acordaram do sono profundo.

Emocionados, o rei e a rainha agradeceram ao príncipe por tê-la acordado após o longo sono de cem anos.

Apaixonados um pelo outro, o príncipe e a princesa se casaram dias depois, no jardim do palácio, e viveram felizes para sempre.

FIM


Gostou dessa história? Compartilhe ou faça um comentário.


Créditos



Comentários



Essa história foi oferecida por Far Kingdoms.

Acesse nosso site para baixar histórias interativas.
http://farkingdoms.com/pt